terça-feira

aspiração

Aqui agora, caminham seres ao nosso lado que não deixam marcas no chão, deixam o seu registo na elevação do corpo para em breves instantes entrarem no movimento aberto ao qual se pode chamar - liberdade livre.

Para o encontro entre corpos que não se vêm –  e o seu registo não se regista no tempo – o encontro manifesta-se na visualização de olhos fechados ou abertos consoante o toque desvelado. Em vários momentos, quase sempre permanentes, estes corpos não ficam retidos ou escondidos, multiplicam-se e mantêm-se à espera de serem resgatados pelo ser presente no corpo que pisa o chão para dar o salto e sem tocar trespassar a copa das árvores e caminhar a aspiração. Caminhar a aspiração.

2 comentários:

benjamim machado disse...

olá anabela,

olha, não sei porquê - para além de ter gostado do teu texto - mas apeteceu-me convidar-te a ler o "baphomet" de pierre klossowski, se ainda não o leste; é sobre sopros, aspirações, inspirações, respirações, corpos, entre outras coisas.

até à próxima

Anabela disse...

Olá Benjamim,
obrigada pelo convite. Ainda não li, nem conhecia. Vou pesquisar.
até à próxima aspiração :)

(epá, agora lembrei-me de aspirador, uma "coisa" que faz um barulho horrivel!)